Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Letra Éme

uma série de devaneios meticulosamente desordenados

Somos todos pessoas

17.09.19

Já pensaram no medo que temos em falar com estranhos na rua? 

OK, os extrovertidos poderão responder "medo? que medo?". Ótimo para vocês, a sério. Comigo não é assim e sei que não estou sozinha neste tema. Sinto uma certa desconfiança, um desconforto que me faz evitar trocar mais do que o ar que nos rodeia.  

Há uns dias fui abordada, praticamente à porta de casa, por uma pessoa que me pediu indicações em inglês. Eu respondi educadamente e expliquei-lhe as direções. O "problema" foi quando a pessoa continuou a falar, a fazer perguntas, a querer conhecer-me. Ali, no meio da rua, daquela forma tão aleatória. Uma parte de mim queria dizer "olha, desculpa mas estou com pressa, vou andando", enquanto que outra dizia "calma, esta pessoa está só a ser simpática e a querer conversar, podias retribuir um bocado!". Assim fiz. Ainda abordámos meia dúzia de temas para um curto espaço de tempo e, para meu espanto, trocámos contas de Instagram (hoje em dia o Instagram é mesmo o novo cartão de visitas, não é?). 

Este tipo de situações não me costuma acontecer a uma segunda-feira na pausa de almoço. Até porque vivo num bairro muito pacato e já vou conhecendo as pessoas que passam na rua a determinadas horas. Mesmo assim, não é toda a gente que cumprimento. Às vezes sai um "bom dia" ou um "boa tarde", um sorriso, e segue-se caminho. Outras vezes, inexplicavelmente, até olhar nos olhos da outra pessoa custa. 

Fiquei a pensar na minha reação exagerada a uma simples abordagem sem nenhuma maldade. Afinal, não somos todos pessoas? Não comunicamos todos? Uns mais do que outros, sim, não há mal nenhum nisso. O mal está em esquecermo-nos que aqui à frente e ali ao lado passam pessoas como nós. 

Uma Educação - Tara Westover // Opinião

15.09.19

Who run the world_.png

O que é a Educação? De que forma é que pode influenciar-nos ao longo da vida? Pode haver mil e uma respostas a estas questões, mas garanto-vos que vale a pena conhecer as de Tara Westover.

Uma Educação é a história de uma menina que nunca foi vacinada, não tinha certidão de nascimento e só entrou numa escola aos 16 anos de idade. Tara cresceu no seio de uma família numerosa, empreendedora e imensamente agarrada às suas ideologias, que vão muito além da religião - o Mormonismo.

Devo dizer que gostei muito da abordagem à religião. Logo no início, existe uma nota a alertar que este livro não é sobre religião, porque na verdade o problema não é a religião mas sim o modo como as pessoas a vivem. Senti até um certo carinho dela para com a religião. Numa das várias entrevistas que vi após ler o livro (porque é simplesmente impossível não querer saber mais sobre esta pessoa), Tara é desafiada a cantar e a canção que escolhe é um hino mórmon. Durante os segundos em que canta podemos observar expressão de tranquilidade, como se estivesse a revisitar boas memórias, o que me faz crer que ela tem uma relação de amor e não de ódio com a religião. Vindo de alguém que teria vários motivos para se revoltar, esta atitude é de louvar! 

Voltando ao  livro...

Os relatos reais e muito detalhados narrados pela voz de uma criança enriquecem sobremaneira toda a experiência de leitura, tornam a história mais autêntica, faz-nos sentir a ingenuidade de uma Tara-menina que achava natural trabalhar horas a fio numa sucata, correndo risco de vida. Embora a sua intuição muitas vezes dissesse que era perigoso fazer certas coisas, como manobrar máquinas perigosas sem nenhuma proteção, ela continua a fazê-lo, pois vê no pai a autoridade máxima e acima de tudo sabe que ele a ama.

A partir do momento em que Tara entra na Faculdade, as descrições ficam cada vez mais sucintas, o que me desiludiu um pouco, já que era a parte que eu mais ansiava: aquele momento em que os contrastes se revelariam, com a vida nova num mundo desconhecido (noutro Continente, até!). Estes episódios são frequentemente interrompidos pelos vários regressos a casa, onde continuam a acontecer coisas insólitas. É bem visível que a autora dá muito mais relevância aos relatos da vida em Idaho, junto à montanha de Bucks Peak, num ambiente dominado por crenças apocalípticas, violência, preconceito, maxismo… Um ambiente que a marcou para sempre, contudo, sem a demover das suas ambições.

Não foi preciso muito para Tara querer começar a estudar e ir mais além. Foi preciso um irmão mais dado aos estudos para ela perceber que existia essa possibilidade, mas o resto do caminho foi ela que traçou. Somos inevitavelmente formatados pelas pessoas que nos são mais próximas e pelo ambiente em que crescemos. No entanto, nada é mais forte do que a força de vontade, este testemunho é mais uma prova disso.  Se esta pessoa conseguiu, mesmo vivendo naquele lugar recôndito, com um pai fanático, uma mãe submissa e um irmão violento… Sinceramente, acho que temos lições valiosas a retirar daqui. Quantos de nós não deixamos de fazer o que queremos com medo de desiludir as pessoas mais próximas? Ou porque acreditamos que "é assim a vida"?

Quando sentirem que não têm opções em qualquer situação que seja, pensem neste exemplo incrível, leiam o livro, reflitam. Esta mulher pegou no seu desconhecimento completo do mundo, para além das montanhas que rodeavam a sua casa, para se doutorar em História pela Universidade de Cambridge. É um exemplo de determinação, ambição e coragem.

Se ficaram curiosos, podem espreitar as primeiras páginas aqui. You’re welcome ! :)